Latest Entries »

Lightworks se torna Open Source

Nos resultados da nossa pesquisa aqui no site, sobre qual software de edição os leitores costumam utilizar, costuma ter destaque o Final Cut, Adobe Premiere, After Effects, Vegas e Avid. Pois um programa que poucos conhecem, o Lightworks, tornou-se open source. E não se engane, o Lightworks é um software muito utilizado em Hollywood, na lista de filmes editados com ele podemos encontrar nomes como Shutter Island, The Departed, Moulin Rouge e Pulp Fiction, só pra citar alguns.

Para baixar é fácil, basta se cadastrar gratuitamente no site e baixar o programa que, por enquanto, tem apenas uma versão para Windows. O editor Edmar da Costa Barros criou um blog onde pretende trocar informações e experiências sobre o software.

Eu já baixei e recomendo: é fácil de usar e bastante prático, embora ainda esteja me acostumando. Vale a pena experimentar.

Já não é de hoje que não sei se onde piso é de verdade ou não!

A Computação Gráfica (CGI) vem tomando conta do nosso mundo real. Nos filmes, por exemplo, as contribuições chegam a nos confundir.

Veja o exemplo do vídeo a seguir. Nele, você pode conferir como algumas cenas são feitas usando apenas elementos básicos para sua montagem. O resto fica por conta dos computadores.

 
http://player.vimeo.com/video/18275127

Boardwalk Empire VFX Breakdowns of Season 1 from Brainstorm Digital on Vimeo.


 

Entendendo Profundidade de Campo

Profundidade de que? Ahn? Isso morde?

dof = depth of field = profundidade de campo

É verdade, a princípio este termo pode causar um certo susto nos mais desavisados principiantes da fotografia. Eu mesmo demorei um pouco para entender, mas depois a “ficha caiu”. Se você der uma pesquisada no google vai achar milhares de explicações técnicas sobre o que é, os efeitos e técnicas de utilização. Mas eu sentia falta de algo mais simples de ser entendido.

O que é?

Profundidade de campo é o termo utilizado para definir qual o tamanho do plano nítido na foto. Planos diferentes podem ser entendidos como coisas a diferentes distâncias da câmera. Cada uma está em um plano diferente.

Para exemplificar, antes que você se desespere:

Na foto acima fiz com que a profundidade de campo fosse mínima! Ou seja, o espaço nítido na foto ficou bem curto. Pode se ver este espaço de nitidez claramente no texto legível da página. A parte de cima está mais distante da câmera (plano distante) e a de baixo está mais próxima (plano mais próximo), ambas totalmente borradas. A parte do texto que você consegue ler foi onde eu fiz o foco (plano central).

Eu deixei visíveis três planos, mas podemos também mostrar apenas dois, o plano focado e o mais distante, como nas próximas fotos.

Observe a diferença entre elas, a única coisa que as diferencia é a profundidade de campo. O foco foi feito no mesmo ponto em ambas.

Na primeira foto você vê nitidamente o escosto de cadeira ao fundo, não é?! Mesmo o foco estando na quina da caixa, o espaço nítido da foto (profundidade de campo) vai desde a caixa até o encosto de cadeira.

Já nesta segunda foto a profundidade de campo voltou a ser mínima. Você perceberá isso notando que nem o texto na lateral preta da caixa pode ser lido com nitidez, pois a profundidade de campo é bem menor que a própria caixa.

Se conseguiu ter uma idéia do que se trata pode estar se perguntando: Mas o que devo fazer para alterar essa profundidade de campo?

Bem, são basicamente 4 fatores que influenciam diretamente a profundidade de campo. Você pode encarar o primeiro dos fatores como uma notícia péssima, pois não depende de você alterar facilmente:

o tamanho do sensor da sua câmera (CCD) – A verdade é que as câmeras compactas tem sensores compactos, meio óbvio, mas este tamanho reduzido aumenta muito a profundidade de campo. Você talvez tenha se perguntado algum dia, como fotógrafos profissionais fazem fotos lindas com fundos desfocados e você com sua CyberShot não consegue fazer a mesma coisa, nem rezando? O sensor pequeno da sua máquina te limita, entendido? Mas existem algumas opções para você que não quer trocar de câmera, muito menos comprar uma profissional. Aí entram os outros 3 fatores que influenciam a profundidade de campo (Em inglês, Dof – depth of field)

Abertura do diafragma, o principal meio de manipular o dof – Para quem não faz idéia do que seja diafragma na fotografia, ele é o que regula a entrada de luz que vai chegar ao sensor ou ao filme. Procure mais a respeito porque não é o assunto principal deste post. No exemplo da caixa (2 fotos acima) eu usei abertura mínima na primeira e máxima na segunda. Em resumo, maior abertura de diafragma, menor profundidade de campo. Inversamente, abertura pequena resulta na profundidade de campo grande. Eu sei, pra quem tá tentando entender é meio confuso, muito confuso… mas com o tempo isso passa.

Curiosidade:
Pra quem é míope, principalmente muito míope, dá pra entender na prática como um orifício pequeno faz a nitidez da imagem aumentar. Muita gente já me olhou torto por afirmar isso, mas eu sei que é verdade, rs. É assim: com uma das mãos, feche os dedos (como em um sinal de OK) e faça um menor orifício possível por onde passe luz, e tente visualizar algo por este orifício (sem os óculos, claro né?). Agora olhe sem a mão, depois com a mão, percebeu diferença?! Aqui… se você não é míope e ainda está tentando, desista, seu olho já acerta o foco por você! Vamos ao terceiro fator.

Objetiva – é uma outra forma de alterar a profundidade de campo.

Isso é simples, se está usando uma tele, a profundidade de campo diminui bastante, agora se está usando uma normal ou grande-angular, a profundidade de campo fica grande (Na figura acima, a parte escura representa o Dof). Caso você tenha uma compacta e não faça idéia do que seja uma objetiva normal, tele, ou grande angular, aguenta firme que chegou a sua vez: Usar uma teleobjetiva é a mesma coisa que botar sua compacta com o “zoom” no máximo.

Faça o teste: Tire a foto de uma pessoa com o zoom no mínimo e depois a mesma foto do rosto da pessoa, mas com o zoom no máximo. (é claro que terá que dar vários passos para trás, né?). Observe como o fundo da foto se comportou em ambas as fotos. Perceberá que quando o zoom estava no máximo, o fundo desfocou mais. Se não aconteceu isso, tente nosso último fator:

Distância para o objeto focado – é isso mesmo… quer desfocar o fundo de qualquer jeito, custe o que custar? Vá se aproximando do objeto focado até quando a camêra ainda aceitar fazer foco. A distância é outro fator que vai fazer a profundidade de campo aumentar ou reduzir. Já percebeu que em fotos “macro” tem alguma coisa focada e o resto borrado? Normalmente as fotos macro são tiradas mais de perto, bem de perto e isso faz com que o Dof diminua muito.

Bem, é isso. De repente você vai usar pouco esses conceitos, mas se deseja explorar várias possibilidades que a fotografia lhe oferece, teste, experimente, descubra!! O resultado sempre é fantástico!

Abraço a todos!! E fiquem com mais alguns exemplos de uso! Tchau!